sábado, 20 de março de 2010

Pessoas Ruins

De acordo com o jornalista Luiz Carlos Prates, um atleta, seja do que for, tem que dormir cedo, levantar cedo, treinar duro, não beber, não fumar, não ter vícios que deponham contra a condição física e psicológica.

Um atleta responsável cuida-se, preserva seu nome, evita conflitos, respeita o clube, cumpre, enfim, afinadamente, com os preceitos da decência.

Adriano, que fugiu das responsabilidades como jogador na Europa, que hoje joga no Flamengo, faz o que bem quer, como bem entende, e se acha com razão. Claro que ele faz o que faz porque não lida com gente firme, diretores, médicos, profissionais, enfim, implacável diante das indisciplinas. Gente que jamais admite um desordeiro no time.

Adriano, depois de faltar a treinos, jogos, depois de meter-se com maus elementos em bailes funks no Rio de Janeiro, depois de brigar (só brigar?) com a mulher, jogou, domingo passado, com uma camiseta provocativa por baixo da camisa do Flamengo.

Fez um gol e levantou a camisa do clube, na camiseta, lia-se: “Que Deus perdoe essas pessoas ruins”.

E quem são as pessoas ruins? As que cobram dele disciplina, respeito, ordem, decência.

Tocado pela crítica oportuna, o dengoso viu-se vítima de pessoas ruins. Pessoas ruins são os amigos dele que o levam para o abismo, como costuma acontecer com tantas e tantas pessoas bem nossas conhecidas.

Achar um amigo que nos puxe pelo braço, evitando o abismo, é raro, difícil, onde mesmo existe um? Mas para empurrar para o abismo o mundo está assim, ó…

Um comentário:

Blog do professor Toinho disse...

Comentário degno de um prêmio, meus parabéns.